TEXTOS

As boas surpresas de Jurerê

23 de Janeiro de 2014

Retornei a Jurerê Internacional, em Florianópolis, depois de 24 anos. Por razões pessoais, entre elas a morte de meu pai, não esqueço aquele início de 1990. Com a esperança de muitos, Fernando Collor assumia a presidência da República, para produzir, pouco depois, uma das maiores decepções da história brasileira.
Só não mudaram, nesse tempo todo, aqui na ilha, sua beleza natural, a cor e a serenidade das águas do mar, e a hospitalidade característica dos nativos, como eles se autodefinem.

+++


Jurerê está muito melhor.
E algumas coisas chamam logo a atenção.
As praias, as ruas e as alamedas são limpas e bem cuidadas. É trabalho do poder público, mas é também resultado da preocupação da comunidade. As casas e edifícios têm belos jardins e muitos recantos são bastante arborizados.
Há bons restaurantes, cafés e bistrôs. E há organização na busca de bem atender os turistas, que fizeram da ilha o segundo lugar mais visitado do país pelos estrangeiros. Santa Catarina só perde para o Rio de Janeiro, neste item.
Outro aspecto relevante, para nós, tão habituados aos crimes que nos cercam: é possível caminhar com segurança à noite, na grande maioria dos lugares.

+++


Nem tudo é perfeito, claro, e as reclamações, em especial dos próprios catarinenses, estão na imprensa todos os dias.
Faltou água e luz em alguns lugares, neste verão, e o Secretário Nacional de Políticas para o Turismo, o nativo Vinicius Lummertz, reconhece a falta de planejamento e não aceita ''surpresas''.
Ele diz que se uma cidade que tem 200 mil habitantes recebe um milhão de visitas, não dá para dizer que houve um imprevisto se ela receber um milhão e cem.
Outras autoridades do setor turístico ouvidas pelo
Diário Catarinense não têm dúvidas em apontar a falta de planejamento adequado como principal problema, contrapondo-se ao bom trabalho de divulgação dos atrativos da ilha.

+++


E no centro de Florianópolis tivemos uma surpresa desagradável, minha mulher e eu. O condutor do táxi 0353 é, para dizer o mínimo, muito pouco educado. Mais: o veículo não tinha ar condicionado num dia de 35 graus e não havia troco.
Ah, sim, usted no sabes de lo mejor.
Estamos cercados de argentinos: 66,3% do turismo internacional é constituído pelos hermanos.
Uma pousada de chás
Jurerê Internacional tem muitas e boas pousadas. Não é meu feitio fazer recomendações, mas esta que me foi indicada pelo amigo Estácio Ramos merece um destaque: a pousada dos chás, situada num recanto tranquilo, a cinquenta metros da praia.
Maria Helena, a proprietária, e sua equipe, que inclui um casal de filhos, esmeram-se nos pequenos detalhes de bom gosto e o resultado é um lugar extremamente acolhedor.
Diferencial e ponto alto da pousada é exatamente o chá servido a partir das 17 horas, com um sem número de iguarias.
Vale a pena usufruir da moderna Jurerê Internacional.


ARTIGOS ANTERIORES
<<2011>> <<2012>> <<2013>>

A fantástica história de Eike
07 de Novembro 2013

A inflação corroendo sonhos
14 de Novembro 2013

Dúvidas e certezas do mensalão
20 de Novembro 2013

Josê Dirceu, o protagonista
28 de Novembro 2013

A pesquisa e a realidade política
05 de Dezembro de 2013

O que pensam os brasileiros?
12 de Dezembro de 2013

Os novos rumos do Judiciário
19 de Dezembro de 2013

Pequeno balanço de esperança
26 de Dezembro de 2013

O circo, os protestos, o voto
02 de Janeiro de 2014

Incógnitas da economia e da Copa
09 de Janeiro de 2014

A ilha da família Sarney
16 de Janeiro de 2014

As boas surpresas de Jurerê
23 de Janeiro de 2014

Murmúrio de palavras
10 de Abril de 2014

Reler Erico e Gabo
24 de Abril de 2014

Ainda temos 2014
17 de Maio de 2014

A Copa das Copas
18 de Maio de 2014

A Copa de todas as Copas
29 de Maio de 2014

Um brasileiro a menos
19 de Junho de 2014

Uma Copa para todos os gostos
10 de Julho de 2014

HISTÓRIAS

Última das vaidades
23 de Setembro de 2011

A mulher das ancas quebradas
23 de Setembro de 2011

BOLETIM DE OCORRÊNCIA (2012)

1° Semestre >>

2° Semestre >>