TEXTOS

Vem aí um novo imposto?

30 de Setembro de 2011

Havia rumores. Especulava-se sobre essa hipótese nos corredores do Senado. E alguns blogs começaram a noticiar.
Aconteceram, no entanto, enfáticos e peremptórios discursos na última semana, na Câmara dos Deputados, quando da votação da Emenda 29, a famosa emenda que regulamenta a destinação de recursos para a saúde. Todos contrários à ideia.
Mas agora é oficial. E pela palavra da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti . Parece não haver mais dúvida. Vem aí, sim, um novo imposto para substituir a CPMF e garantir mais recursos para a saúde.
Isso na teoria, porque aquela contribuição acabou usada para outros fins. É bom lembrar que o então ministro da Saúde, Adib Jatene, mais de uma vez denunciou a diversa utilização daquele dinheiro, quer dizer, o dinheiro da CPMF não foi para a saúde.
Ideli Salvatti é muito clara em entrevista ao ''Estadão'' , nesta segunda-feira: o governo precisa de R$ 45 bilhões anuais para financiar investimentos em saúde no país.
Disse Ideli: ''O governo tem clareza de que precisa de novas fontes para a saúde. Nós já colocamos o dedo na ferida.''
E a uma nova pergunta, respondeu que sim:
'' É um novo imposto, que poderá ser de uma forma ou de outra. A questão é que essa nova fonte tem de ser
adequada à conjuntura econômica e só pode ser criada com uma discussão de caráter federativo e em consonância com o Congresso''.
Palavrório à parte, vamos ser claros: está sendo gestado mais um encargo para o contribuinte.
Mas é hora para isso?
Não sei, não.
Os políticos deveriam pensar muito bem antes de propor alguma coisa do gênero.
A população não suporta mais o ônus de impostos multiplicados, sobrepostos, abusivos.
E ser empresário, hoje, no Brasil, pagando toda a carga tributária estabelecida (37%, uma das maiores do mundo), é tarefa para gigante. Com exceção, é claro, daqueles beneficiados por incentivos.
Veio-me à lembrança a recente passeata/protesto contra a corrupção, em Porto Alegre, no dia 20 de setembro e o grito de guerra entoado: ''O povo acordou, o povo decidiu, ou para a roubalheira ou paramos o Brasil''.
Em seu site, a OAB gaúcha, uma das líderes do Movimento ''Agora Chega!'', junto com a Associação Rio-grandense de Imprensa, registra alguns dos cartazes empunhados pelos participantes: ''O Brasil exige dignidade'', ''Brasil mostra a tua cara''. E este: ''Não alimente a corrupção, é você quem paga esta conta''.
A passeata de 20 de setembro foi a segunda. Repetiu a do dia da independência, esta em todo o Brasil, e o movimento continua, agora pelo site www.agorachega.org.br e pelas redes sociais.
Não estarão os senhores senadores – na ''ilha da fantasia'' que
é Brasília – distanciados demais dessa realidade? Vale repetir o alerta feito aqui: as redes sociais estão derrubando governos.