TEXTOS

Os estranhos ministros sem função

12 janeiro de 2012

Lembram do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel?
Sim, aquele que se atrapalhou nas explicações sobre as ''consultorias'' por ele prestadas a empresas e à Federação das Indústrias de Minas Gerais, depois de deixar a Prefeitura de Recife e antes de se tornar ministro.
Não, ele não deixou o governo.
Blindado pela presidente Dilma Roussef, porque ele é um dos homens de sua confiança, Pimentel desapareceu do noticiário. Embora prestigiado pela presidente.
A ''bola da vez'', agora, é o pernambucano Fernando Bezerra Coelho, da Integração Nacional.
Começou com a revelação de que ele enviou para seu Estado natal e berço eleitoral a maior parcela de verbas do Ministério.
Bezerra se defendeu, dizendo que Pernambuco não pode ser discriminado pelo fato de ser ele o ministro. Não colou.
O governador Eduardo Campos, do PSB, o partido do ministro, saltou em sua defesa, irritado. E a presidente, porque precisa do apoio do partido e de seus deputados, também o prestigia. Pelo menos por enquanto.
Acontece, no entanto, que outras denúncias começaram a pipocar na imprensa, entre as quais o favorecimento a seu irmão, funcionário da Codevasf e até terça-feira presidente da empresa.
Nesta semana surgiu nova denúncia: o ministro está sendo investigado em quatro ações civis públicas do Ministério Público Federal, por suspeita de improbidade administrativa, ao tempo em que foi prefeito de Petrolina. E num dos casos, o que está em exame é um convênio justamente com a Codevasf, do seu irmão, Clementino de Souza Coelho, ao tempo em que este era diretor de engenharia daquela empresa.
Entre as supostas irregularidades no convênio de R$ 24,4 milhões para construção de uma Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários, está o pagamento por serviços não realizados, o que já havia sido apontado, aliás, em outro processo da Controladoria Geral da União.
Difícil prever se o ministro Bezerra vai resistir a tanta notícia ruim contra ele. Por enquanto, continua no ministério.
Tenho para mim, no entanto, que a sua sobrevida pode implicar, daqui para frente - depois da seca gaúcha e das enchentes no centro do país - na sua ausência do noticiário, a exemplo do que aconteceu com Pimentel.
E isso é péssimo para todo político.
Assim, tudo indica que vamos ter, a partir de agora, uma nova classificação para os ministros: os que permanecem em seus cargos, com trabalho e visibilidade; os defenestrados, ou que deixaram o governo ''a pedido'', como é o caso de Palocci, Lupi, Orlando Silva, etc.; e os ''prestigiados'' ou ausentes, esses que passam a trafegar pela Esplanada dos Ministérios sem nada fazer – porque os encargos e controles de seus ministérios passam para a Casa Civil - e também sem serem vistos.
Serão estranhos ministros sem função.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos