TEXTOS

O povo e os bons índices de Dilma

26 janeiro de 2012

Desde Fernando Collor – passando por Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Lula, pela ordem - nenhum deles conseguiu números tão significativos quanto acaba de obter a presidente Dilma Rousseff: 59% de aprovação (ótimo/bom), ao fim do primeiro ano de governo. ,
A pesquisa é do Datafolha e mostra que apenas Lula chegou perto, com 50% de aprovação ao final de um ano de mandato. Depois vem Fernando Henrique Cardoso, com 41%.
Dilma já mostrou que é diferente de Lula. No jeito de ser com os políticos e no jeito de governar.
Lula tem mais gosto pelos bastidores da política, Dilma prefere ser a grande gerente, apraz-lhe o exercício de governar. Os índices, por isso, não surpreendem.
A economia vai muito bem, há pleno emprego, o poder aquisitivo de uma grande faixa da população aumentou e há uma nova classe chegando ao mercado, com capacidade de comprar.
A oposição está nocauteada, no canto do ringue.
A sensação que se tem é que sequer ela existe.
Quem era já não é.
Veja-se Kassab. Ninguém mais diferente que o PT do que ele, que saiu do DEM e teve capacidade de juntar meia centena de parlamentares de vários partidos, para fundar o PSD.
Todos querem uma aproximação com o Planalto, quase todos desejam apenas e simplesmente aderir ao poder, de olho nas eventuais benesses do governo. Para isso, o partido não é de esquerda, não é de centro, muito menos de direita, já disse Kassab. É a favor.
Resta o PSDB. Mas o PSDB continua atrapalhado consigo mesmo. Tudo indica que já passou a vez de José Serra ser candidato à presidência, mas ele insiste. Fernando Henrique Cardoso acaba de dizer isso numa entrevista à revista inglesa The Economist: - Aécio Neves é o candidato óbvio à presidência.
E essa declaração causou furor entre os caciques do partido.
A pesquisa do Datafolha tem outras constatações interessantes, entre elas o otimismo dos brasileiros.
A grande maioria (60% dos entrevistados) acredita que a situação econômica pessoal vai melhorar ainda mais, na esteira da melhoria da situação da economia do país (46%).
Esta é a hora de Dilma.
Com esse prestígio e com sua capacidade de gestão, ela poderia fazer o indispensável: uma ampla reforma nas arcaicas e caras estruturas do governo.
Quem sabe reduzir a carga tributária? Quem sabe eliminar um bom número de funções gratificadas e cargos em comissão, usados para brindar os companheiros?
Quem sabe mudar os rumos da educação, da segurança e especialmente da saúde?
Há poucos dias, depois de sofrer um infarto, morreu por falta de atendimento nos hospitais de Brasília um categorizado funcionário do governo. Duvanier Paiva Ferreira era nada menos que o Secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento.
O exemplo do caos na saúde do país está na porta do palácio.
Basta querer a mudança.
E o povo, agradecido, aplaudiria.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos