TEXTOS

A tentação irresistível de censurar

23 fevereiro de 2012

Depois da Argentina, agora é a vez do Equador.
De quando em quando, aparece na América Latina um novo personagem político a questionar a liberdade de imprensa.
É simples a razão: ela incomoda quem está no poder.
O presidente Rafael Correa, desde que assumiu o governo, em 2007, iniciou um combate sistemático à imprensa livre do país: expropriou canais de TV e rádio; usa as verbas de publicidade do governo de forma discriminatória e busca na justiça a condenação de profissionais que o criticam.
Na última semana, as coisas se agravaram.
Os jornalistas Juan Carlos Calderón e Cristian Zurita foram condenados, em primeira instância, a pagar uma multa de US$ 2 milhões pela publicação do livro ''El Gran Hermano'', no qual eles denunciam episódios de corrupção vinculados a um irmão de Correa.
Já o jornal ''El Universo'' foi condenado por injúria pela coluna do editor de opinião, Emilio Palácio, que chamou o presidente de ditador e questionou sua atuação durante uma revolta policial. Por dizer isso, ele recebeu três anos de prisão e uma multa de US$ 40 milhões.
Palácio não teve outra alternativa senão pedir asilo político nos Estados Unidos e dois dos irmãos proprietários do jornal estão no exterior. O terceiro já pediu asilo ao Panamá.
Há mais um caso significativo: o jornalista Wilson Cabrera, dono e locutor da rádio La Voz de La Esmeralda, da cidade de Macas, teve sua rádio tirada do ar pela polícia. Os cabos e antenas foram arrancados. Alegaram que ele transmitia sem autorização.
Cabrera protesta:
- Não é verdade. Me tiraram a rádio porque eu denunciava casos de corrupção. Esse governo, em vez de apurar as denúncias, volta-se contra os jornalistas.
Não pensem que é tudo. Vem mais pela frente: a lei eleitoral e a de comunicação.
- Se ambas forem aprovadas, não será mais possível fazer jornalismo no Equador, diz Ricardo Trotti, diretor da Sociedade Interamericana de Imprensa.
A lei eleitoral foi aprovada neste mês de fevereiro. Ela impede que os meios de comunicação publiquem matérias apontando aspectos negativos ou denúncias contra candidatos nas próximas eleições de 2013.
A outra lei, a de comunicação, se aprovada, vai determinar que apenas 33% das empresas poderão ser de controle privado. Conforme o diretor da SIP, na prática, o governo de Corrêa vai controlar, com 66%, os meios de comunicação.
Não pense que o Equador está distante e é uma realidade isolada.
Dominar a imprensa, impor-lhe condições e cerceamentos, é uma vontade generalizada entre governantes.
Na América Latina, especialmente, essa questão é muito sensível. Conforme o jornalista Emilio Palácio, de ''El Universo'', hoje sobrevivendo em Miami com suas poupanças, ''há um processo em toda a América Latina''.
Ele tem razão. Aqui no Brasil, em várias gavetas, há projetos para amordaçar jornalistas e a liberdade sob o pretexto de ''democratizar a imprensa''.
É uma tentação aterrorizante.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos