TEXTOS

Enfim, emoção nas eleições

01 de Março de 2012

Às vésperas das eleições presidenciais de 1989, estávamos um grupo de jornalistas a conversar, e o tema, logicamente, era os rumos daquele pleito, ao final vencido por Luis Inácio Lula da Silva. O PT chegava pela primeira vez ao poder central.
Um dos colegas, também político e conhecido por seu talento para produzir frases de efeito, respondeu assim, quando perguntado sobre o candidato de sua preferência:
- Sou coerente. Voto no único candidato de esquerda desta eleição, o Serra.
Risos à parte, esse é o economista José Serra: um homem de esquerda. Tornou-se exilado, em 1964, depois de ter sido o mais jovem orador do célebre comício da Central do Brasil.
Também é reconhecido por sua capacidade administrativa, todos lembram seu trabalho no ministério da Saúde. Foi prefeito e governador de São Paulo, mas não conseguiu chegar à Presidência da República. Lula o derrotou duas vezes e, na mais recente tentativa, perdeu no segundo turno para a presidente Dilma Rousseff.
Serra é um homem de muitos predicados, mas sua expressão facial é dura demais, não dá para se dizer que seja um tipo simpático.
Essas considerações me ocorrem depois do anúncio por ele feito, via twitter, nesta segunda-feira, de que será candidato, novamente, à prefeitura de São Paulo.
É um fato político relevante e trás um pouco de sabor às eleições deste ano, pelos inevitáveis reflexos no panorama do quadro da sucessão da presidente Dilma Rousseff, em 2014. Há várias questões em jogo.
Serra sai, automaticamente, da corrida presidencial, quer dizer, renuncia ao sonho de presidir o Brasil?
Não. Francisco Henrique Cardoso, de Nova York, manda dizer: política é coisa muito dinâmica e a decisão de concorrer ''dá a ele uma revitalização política''.
Mas não é fácil o caminho.
Primeiro tem que vencer a eleição e essa não é uma tarefa simples. Se o principal adversário, o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, não é uma figura assim tão expressiva, tem com ele a sombra majestosa do ex-presidente Lula. Que o inventou candidato petista em São Paulo, assim como fez com Dilma Roussef.
Serra, se vencer, não poderá repetir a renúncia ao governo municipal paulista, para concorrer a outro cargo, como já fez em 2006, depois de um ano e três meses de mandato na prefeitura. Seria um suicídio. Já não vai ser fácil convencer o eleitorado de que não repetirá o gesto.
Além disso, Aécio Neves passa a ter o caminho livre para sua ambição de chegar à presidência. Mas vai precisar, por sua vez, de um projeto de país. E que seja ambicioso, realista e alternativo. A presidente Dilma navega em águas plácidas e a continuar o quadro econômico atual – longe de crises - ela é quase imbatível numa candidatura à reeleição.
A presença de Serra no cenário eleitoral tem o mérito de pelo menos trazer emoção ao quadro até aqui amorfo das próximas eleições.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos