TEXTOS

Uma previdência mais ajustada

08 de Março de 2012

Os poderes da República, finalmente, parecem decididos a enfrentar um dos mais graves problemas das finanças públicas do país: o déficit previdenciário.
Há muito que os especialistas advertem sobre a necessidade de por fim à farra.
Mas, até aqui, todas as iniciativas para mudança ou reforma estrutural da previdência esbarraram nas corporações, sindicatos e partidos políticos temerosos de desgastes.
Desde o governo Fernando Henrique Cardoso, passando por Lula, foram várias as tentativas para mudar a legislação. Todas esbarraram na resistência do Congresso Nacional.
Na última semana – ufa! - foi aprovada, na Câmara dos Deputados, e por confortável maioria – 318 votos contra 134 – a criação do fundo de previdência complementar dos servidores públicos federais. Ainda falta o exame do Senado, mas o governo também lá tem maioria ampla e essa é uma questão prioritária para a presidente Dilma Rousseff.
Dois fatores pelo menos contribuíram para que o nosso parlamento tenha se sensibilizado com o tema: a pregação do ministro da Previdência, Garibaldi Alves, e a crise da economia de vários países europeus, a Grécia em especial.
O ministro assumiu a pasta dizendo que, desde a sua escolha para o ministério pela presidente Dilma, no final de 2010, os amigos já não lhe desejavam feliz ano novo, só o lembravam do abacaxi que ele iria enfrentar.
Pois ele logo se familiarizou com os problemas e iniciou uma pregação para mostrar a todos que as reformas eram indispensáveis:
''Não é possível – repetiu ele – o país gastar mais com aposentadoria de servidores públicos do que com investimentos''.
Por outro lado, o caos da economia em alguns países da Europa em grande parte é consequência dos desacertos das contas públicas ocasionados por déficits previdenciários.
A equação é simples, trata-se de cálculo atuarial: só é possível distribuir o que se arrecada.
E, no nosso caso, a previsão é de que o chamado ''rombo da previdência'' em 2012 será de 66 bilhões de reais para bancar o pagamento de cerca de um milhão de servidores inativos.
Com a criação do fundo, os novos servidores públicos da esfera federal não poderão mais se aposentar com salários integrais. Vão receber o teto que prevalece para os trabalhadores da iniciativa privada (hoje em R$ 3.900). Quem quiser receber mais, precisará contribuir para o novo fundo. Como estão resguardados os direitos adquiridos pelos atuais servidores, o que é justo, não será de um dia para outro que se vai chegar ao equilíbrio. Isso deve acontecer em trinta anos, pelos cálculos oficiais.
E a criação do fundo, por si só, não é suficiente.
O aumento da expectativa de vida do brasileiro gera um descompasso cada vez maior entre receita e despesa, além de outros fatores, o que torna indispensável uma reforma previdenciária mais ampla e mais profunda.
Mas está sendo dado um passo importante. E que deve ser saudado.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos