TEXTOS

A oposição que não se ajuda

29 de Março de 2012

A oposição não se ajuda.
Quer dizer: a oposição não ajuda o Brasil.
É bom lembrar: a existência de um grupo de opositores ao governo – seja qual for o governo - é essencial para o perfeito funcionamento do processo democrático.
No Brasil, nos últimos tempos, praticamente não há oposição.
Já registrei em comentário anterior: a sensação que se tem é que nenhum político brasileiro está à vontade em posicionar-se contra o governo.
Ao contrário: o que parece acontecer é um desejo contido e muitas vezes mal disfarçado de adesão.
Ficar longe do poder, distante das benesses que podem resultar da proximidade daqueles que liberam verbas, ou não ter perspectiva de indicar para um cargo o apadrinhado, isso tudo faz muito mal a certos políticos.
Assim, deve-se pelo menos entender o sr. Gilberto Kassab. Desejoso de estar próximo de quem comanda neste momento o país, decidiu criar um partido, o PSD.
E aqueles que imaginavam ser uma tarefa difícil a criação de um partido de porte enganaram-se. A possibilidade de sair da oposição e ingressar num organismo sem ideário – porque não é de direita, nem de esquerda, nem de centro, como o definiu o próprio Kassab – mas que tem a possibilidade de aliar-se ao governo, ou a quem tem a perspectiva de sê-lo, dependendo apenas de circunstâncias, reuniu um grupo considerável de políticos. Foram dezenas os aderentes.
A oposição se enfraquece a cada dia.
E os opositores não se ajudam.
O senador Demóstenes Torres (DEM), um ex-promotor de justiça, vinha se notabilizando pelo seu discurso enérgico e bem embasado, sob o ponto de vista jurídico, em defesa da ética e dos bons costumes na República.
Pois de um momento para outro ele aparece vinculado, afetiva e efetivamente, ao bicheiro Carlinhos Cachoeira, um notório contraventor que está, neste momento, na cadeia.
O próprio senador foi à tribuna, quando da primeira denúncia, para justificar o recebimento de caríssimos presentes de casamento.
Nos últimos dias, no entanto, ele submergiu. Ausentou-se do Senado e renunciou à sua condição de líder do DEM, diante de novas e avassaladoras denúncias.
Está gravado pela Polícia Federal: ele pediu R$ 3 mil ao bicheiro para pagar o aluguel de um táxi-aéreo. Convenhamos: nada justifica isso.
E há gravações ainda mais comprometedoras, pelo que se diz, além do estranho celular codificado em Miami e que ele recebeu de Carlinhos Cachoeira para que pudessem conversar sem o perigo de um ''grampo'' da Polícia Federal.
O constrangimento de seus parceiros de oposição, nas últimas horas, é evidente. O próprio presidente do DEM, senador Agripino Maia, ameaça expulsá-lo do partido.
O governo nem precisava de tanta ajuda, porque tem ampla maioria, na Câmara e no Senado. Mas já que a oposição assim quer...


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos