TEXTOS

CPI ou apenas mais uma novela ?

10 de Maio de 2012

Começou esta semana mais uma CPI. Ou mais uma novela brasileira, tanto faz. Nos dois casos, sabe-se antecipadamente como elas iniciam e não se tem ideia alguma sobre como vão terminar.
A única informação expressiva que surgiu até agora foi revelada por um interlocutor de Carlos Augusto Ramos, o bicheiro Carlinhos Cachoeira, figura central e objeto desta Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do Congresso Nacional: ele deu boas gargalhadas ao saber dos nomes dos integrantes da CPMI. E perguntou: mas o que é que eles vão perguntar?
Talvez por isso tem-se anunciado que Carlinhos Cachoeira vai silenciar em seu depoimento. Com essa tática da defesa, além de preservar-se, ele não constrangeria seus interlocutores...
Falando sério: a CPMI, se assim o quisesse, teria muito que investigar. Não lembro de alguém que tenha conseguido, em tão pouco tempo, estender seu poder de ação a tantas figuras públicas e a tantos poderes como ocorreu com esse jovem senhor de Goiânia. E quem tinha idéia da capacidade empresarial da construtora Delta, dona da maior fatia de recursos das obras do PAC?
Fosse séria, poderíamos conhecer melhor o nível verdadeiro das relações entre empresários, partidos políticos e governantes do país.
Seja o que for, CPMI ou novela, começou mal. Sessão secreta para ouvir um delegado da Polícia Federal responsável pela Operação Vegas, que investigou o bicheiro?
O argumento da senadora Kátia Abreu (PSD-TO) para assinar o pedido foi este: evitar que os investigados possam preparar suas defesas baseados nos depoimentos dos delegados e procuradores que os investigam.
Ainda bem que o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) alertou: - Quero avisar ao delegado que vai vazar tudo. E foi o que ocorreu. O delegado ainda estava a depor na noite de terça-feira e já o noticiário informava detalhes do que ele havia dito.
A Comissão de Ética do Senado, nesse mesmo dia, decidiu abrir investigação sobre as trapalhadas do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) e sua subserviência ao bicheiro. Apesar do espírito corporativo do Congresso e de todas as manobras que possam promover seus competentes defensores, protelando o processo, só por um milagre ele não vai ter cassado o mandato.
E perdendo sua condição de senador, Demóstenes Torres será substituído pelo suplente, Wilder Morais, que vem a ser o ex-marido da atual mulher de Carlinhos Cachoeira, Andressa Mendonça, uma belíssima loira de 27 anos, dona de uma franquia de lingeries francesas num shopping de Goiânia.
Ela é desde já chamada de musa da CPI: vai estar no plenário no dia em que Cachoeira depuser, vai ser muito fotografada e foi, antecipadamente, convidada a posar nua pela Playboy mas recusou:
- Não vou dar esse gostinho, não. Deixo só para o Cachoeira. – disse ela.
Convenhamos, caro leitor: isso é CPMI ou telenovela?


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos