TEXTOS

Não pode ser ideia de Lula

17 de Maio de 2012

Tenho dificuldade em acreditar nas versões – bastante difundidas - que indicam ter sido o ex-presidente Lula o grande inspirador das primeiras ações da CPMI de Carlinhos Cachoeira.
é um político reconhecidamente hábil e disso deu inúmeras provas ao longo de seus dois mandatos. Ninguém chega até onde ele chegou por acaso ou por sorte. É competência, antes de tudo. Entre os jornalistas da área, ele é chamado de ''animal político'', aquele que é estimulado de forma visceral pela prática política.
O pretexto para a ação de Lula seria um só: atrapalhar o julgamento do ''mensalão''. Quer dizer: a CPMI teria a capacidade de desviar o foco do Brasil e dos brasileiros do esquema de corrupção comandado – segundo o Procurador Geral da República - pelo ex-chefe da Casa Civil, José Dirceu.
Para isso também seria necessário desmoralizar a capacidade mobilizadora da imprensa.
A ideia da convocação, pela CPMI, de Roberto Gurgel, Procurador Geral da República, na tentativa de intimidá-lo - ele vai ter cinco horas para acusar os responsáveis pelo ''mensalão'' - foi um desastre. Ministros do Supremo Tribunal Federal colocaram-se imediatamente na defesa de Gurgel. E acabou que a solução encontrada foi o envio de um ofício com cinco perguntas, a serem respondidas também por escrito.
Nada pior, no entanto, que o embate com a imprensa.
Diálogos envolvendo o jornalista Policarpo Júnior, da revista Veja, serviram de pretexto para que os eternos inimigos da liberdade de imprensa e, por extensão, da própria democracia, levantassem suas vozes para denunciar um conluio entre órgãos de comunicação e contraventores.
Antes mesmo que os dois primeiros delegados da Polícia Federal depusessem, ''blogs e veículos de imprensa chapa-branca que atuam como linha auxiliar de setores radicais'' do partido do governo, como denunciou o jornal O Globo, mobilizaram-se numa campanha organizada para denunciar a revista.
Ocorre que o depoimento dos delegados frustrou as expectativas de deputados e senadores da CPMI, entre eles o ex-presidente Fernando Collor, um dos mais raivosos combatentes da revista, mesmo se dizendo defensor das liberdades.
Não esquecer, a propósito, que foi uma entrevista bombástica do seu irmão, Pedro Collor, à mesma revista, em que denunciou o esquema corrupto de PC Farias, o início dá derrocada do ex-presidente e hoje senador.
O que revelou a Polícia Federal?
O jornalista Policarpo Junior trocou telefonemas com Cachoeira apenas em busca de informação, dentro dos limites legais e em benefício do interesse público.
A CPMI foi obrigada a recuar. O próprio José Dirceu já teria revelado que ''o efeito foi o contrário do imaginado'': a única consequência foi acelerar o processo do mensalão.
Isso tudo não deve ter sido ideia de Lula, definitivamente.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos