TEXTOS

Conversas nem tão republicanas

31 de Maio de 2012

Vamos tentar por os pingos nos is.
Primeiro: houve um encontro, há pouco mais de um mês, no gabinete do ex-ministro Nelson Jobim, localizado próximo ao aeroporto de Brasília, entre o anfitrião, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes.
Isso é informação. Os três personagens confirmaram o encontro.
Segundo: qual foi o motivo da reunião?
A partir daqui, tudo são especulações e divergências: Gilmar Mendes garante que Lula sugeriu ser inoportuno julgar agora, em meio a um processo eleitoral, os denunciados no processo do ''mensalão''. Lula, em nota de sua assessoria, diz que não aceita a versão publicada e Jobim informa que não foi bem assim como informou a imprensa.
Teriam, segundo ele, falado de questões institucionais, depois de uma rodada de amenidades. Tudo muito republicano.
Terceiro: Brasília é a chamada ''ilha da fantasia'', e, há muito tempo, lá tudo é uma possibilidade.
Quarto: em plena recuperação de um câncer que o debilitou profundamente, Lula talvez tenha viajado a Brasília apenas por sentir saudades do ar úmido do poder.

+++


Falando abobrinhas e, como ele é corintiano de vestir a camiseta, o ex-presidente deve ter iniciado a conversa com provocações ao ministro Gilmar Mendes, um santista de fé, daqueles de ir ao estádio aplaudir Neymar.
Tite ou Muricy?
O ministro Jobim, admirador do pequeno Internacional de Santa Maria, sua terra natal, tratou de amenizar a conversa, quando os ânimos se exaltaram.
Outro assunto pode ter sido as preferências etílicas de cada um. Bebe-se bastante em Brasília. Todos os três gostam de rótulos nobres. Gilmar, por exemplo, opta por vinhos franceses, alemães e gaúchos ( neste caso, pinot noir). A Jobim, sempre agradaram bons uísques, como um Ballantines de pelo menos 12 anos.
Ah, sim. E charutos. Entre os apreciadores dos cubanos, as escolhas recaem sobre os tops de linha. Montecristo é coisa do passado. Cohiba e Partagás, com suas variações, são os mais indicados.
Lula gosta de cigarilhas, mas está proibido de fumá-las.
Mulheres? Outro assunto republicano, com certeza.
É tema sempre recorrente quando se trata de poder e sexo. A musa da hora é Andressa Mendonça, atual companheira de Carlinhos Cachoeira, uma vistosa loira que foi esposa de Wilder Morais, que vem a ser o suplente de Demóstenes Torres. E que até tem chance de assumir, claro.
Talvez quem mais tenha silenciado, nesse encontro tão estranho, seja o presidente Lula. Está com inevitáveis restrições médicas e falar sobre cachaças, cigarilhas e mulheres deve trazer-lhe belas lembranças. Mas longe de seu alcance neste momento.
Então, como se especulou, é possível que ele tenha se reportado apenas a questões republicanas:
- E o mensalão, hein? O José Dirceu está desesperado.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos