TEXTOS

Armadilhas à espera do pesquisador

07 de Junho de 2012

Sentinela do Sul é um pequeno município com pouco mais de cinco mil habitantes e se localiza a cerca de cem quilômetros de Porto Alegre. Seguindo pela BR-290, em direção à zona sul do Estado, entra-se à direita. À esquerda, Tapes.
Estive lá há poucos dias. Fui participar de um encontro promovido pela Prefeitura Municipal, reunindo quase duas centenas de professores de municípios que formam a chamada Costa Doce da Lagoa dos Patos.
O título do simpósio é Ler e escrever: cultivando a arte de pensar. Através de palestras e debates, durante 40 horas, profissionais de diversas áreas humanas trocam experiências e ideias com integrantes do magistério do município e do Estado.
Convenhamos que não é comum uma iniciativa desse nível, mesmo em comunidades de maior porte e recursos mais expressivos.

+++

Um dos questionamentos que me foram feitos é sobre as dificuldades de se chegar à veracidade de reconstituições históricas.
Bela pergunta.
Sim, respondi, há que se ter extremo cuidado, porque são perigosas as armadilhas que inevitavelmente o pesquisador terá que superar, antes de chegar à verdade verdadeira.
Uma das fontes mais complexas é aquela que, para muitos, haveria de ser plena de confiança: o testemunho pessoal dos personagens de cada história e de cada biografia.
O entrevistado, regra geral, tende a supervalorizar sua participação em determinado episódio. E há que se ter, por isso, paciência para ouvir longos relatos pessoais e extrair deles o que efetivamente importa.
E, quando se trata de biografia, a tendência compreensível dos amigos do personagem é enaltecê-lo, por suas tantas virtudes, além de não encontrar nele qualquer pecado.
Há, também, aquele que, na ânsia de aparecer, falte com a verdade, simplesmente.
No livro , Diário de Notícias, o romance de um jornal, narro, entre outros, episódio ocorrido com o jornalista Índio Vargas, numa viagem de cunho pessoal ao Rio de Janeiro. Para isso, valeu-se de passagem cortesia da VARIG, obtida junto a seu amigo Favorino Mércio, então Sub-chefe da Casa Civil.
No momento de retornar, a funcionária da companhia aérea pediu a ele a carteira de identidade e veio então o pavor. A passagem estava em nome de Favorino.
Índio alegou ter perdido os documentos mas a moça foi inflexível: sem comprovação, nada de embarque.
Salvou-o Assis Chateaubriand. O safado e todo-poderoso comandante dos Diários Associados ouviu o repórter da sua empresa e, rindo, em altos brados, proclamou:
- Então, você quer que eu minta. Nunca fiz isso em minha vida.
E determinou a um dos assessores que resolvesse o problema junto à VARIG do seu amigo Rubem Berta.
Ocorre que ouvi essa mesma história, contada por outro grande jornalista gaúcho, já falecido, como tendo ocorrido com ele o episódio.
Não, não são fáceis os caminhos do pesquisador.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos