TEXTOS

O Rio dos meus encantos

05 de Julho de 2012

Amo o Rio de Janeiro.
Tive o privilégio de conviver bastante com os cariocas da ''cidade maravilhosa'' quando ela ainda não enfrentava alguns dos seus dramas de hoje.
Caminhava-se, à noite, em Copacabana, sem qualquer preocupação. E saboreava-se com tranquilidade aquela agradável brisa vinda do mar, ''com cheiro de mulher'', como costumava dizer o ''negro Moacir''. Não havia a imensidão de favelas de hoje, nem o tráfico de tóxicos assim escancarado, muito menos as temidas milícias policiais.
Foi no início da década de 70, quando assumí a direção da sucursal do Correio da Manhã, em Porto Alegre. E isso me obrigava a estar na sede da empresa, no Rio, quase todas as semanas.
Fundado por Edmundo Bittencourt, gaúcho de Santa Maria, o jornal nasceu em 1901 e fez história na imprensa brasileira, pelo tom crítico de seus editoriais.
Durante mais de três anos, conheci e convivi com alguns dos grandes nomes do jornalismo do país.

+++


O Rio daqueles tempos continuava a ser sinônimo de praia, mulher bonita e muita boemia, tudo emoldurado pelo mar e pelos morros, com desenhos de uma natureza soberba.
Ao final do expediente no jornal, perto da meia-noite, era quase inevitável que fossemos conversar e beber nos bares e restaurantes da zona sul, em Copacabana e Ipanema.
Conquistei grandes amigos por lá.
Um deles foi o gaúcho Moacir Souza, o ''negro Moacir'', como todos o conheciam. Ele fora homem de confiança de João Goulart, havia ocupado cargos importantes durante o governo e, depois de 64, estava um tanto à deriva.
Socorreu-o a família Alencar, e Marcelo, então diretor do Correio, tinha-o como seu assessor. Marcelo Alencar, mais adiante, foi governador do Estado e, antes disso, nos idos de 64, um dos primeiros senadores cassados.
Formamos um trio de bons amigos.
E isso implica em responsabilidades.
Anos depois, já não nos víamos há algum tempo, recebi, surpreso, um telefonema de Marcelo Alencar, à época governador do Rio.
Informava a morte súbita do ''negro Moacir'' e me pedia um favor difícil: dizer à mãe dele, na capital gaúcha, o que havia ocorrido.
Cumpri a missão, às lágrimas.

+++


O Rio era isso. Emotivo, solidário, fraterno, amigo.
Foram tempos para mim inesquecíveis.
Éramos jovens, vivia-se um momento político importante, fazer jornal era uma tarefa complexa, mas fascinante, e as jornadas noturnas eram essenciais.
Não sei se é a cidade mais bela do mundo, até porque não as conheço todas. Das muitas por onde andei, não vi outra com natureza tão fascinante. O certo é que o Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, reunido em São Petersburgo, na Rússia, no último domingo, transformou a ex-capital da República em Patrimônio da Humanidade, na categoria de paisagem cultural, pelo excepcional cenário urbano da cidade.
O Rio que eu amo merecia essa distinção há muito tempo.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos