TEXTOS

Lições de um mestre do jornalismo

19 de Julho de 2012

Gay Talese, 80 anos de idade, é um dos nomes mais importantes do chamado ''new journalism'' (novo jornalismo), ou jornalismo literário, quando a reportagem se vale de técnicas da ficção. Na verdade, ele praticamente criou essa face nova da forma de fazer jornal.
Elegante, vestindo colete e com um chapéu branco – em casa, tem mais de trinta modelos - esteve há pouco no Brasil, participando do Congresso Internacional Cult de Jornalismo Cultural.
O autor de ''O Reino e o Poder'' e ''Honra teu Pai'', entre outros títulos, deixou belas lições para os jovens jornalistas ou aqueles que pretendem trilhar pelos caminhos do ''new journalism''.
Primeiro: Talese não usa notebook, celular ou tablet. Nem e-mail. Leva nos bolsos pequenos cartões nos quais rabisca notas sobre o que viu e ouviu. E não costuma fazer essas anotações enquanto o entrevistado fala.
Afirmou ter aprendido isso com a família.
A mãe era proprietária de uma loja de vestidos e o pai alfaiate:
- Aprendi com minha mãe: deixe as pessoas falarem, não as interrompa. Com meu pai: o que é feito à mão é melhor que o feito com a máquina.
Ele pode ter usado um recurso literário para explicar seu método de trabalho, mas é certo que a prática da entrevista revela essa lição: é essencial, sim, não inibir o entrevistado com gravadores e outros dispositivos eletrônicos. Não são todos que enfrentam com serenidade uma gravação. A experiência mostra que a grande maioria fica à vontade se o entrevistador estiver apenas ouvindo, sem anotações e gravadores.
Segundo: Talese diz que não há razão para as queixas dos jovens jornalistas pela falta de emprego na área. E ensina, em resumo, que é preciso ir à luta, nunca foi fácil ingressar. No seu caso, ele buscava sanduíches para o pessoal da redação. ''Era o jeito de entrar''.
Não é mesmo fácil. Recordo meu primeiro contato com Josué Guimarães, redator-chefe do Diário de Notícias, no ano de 1960. Junto com Fúlvio Bastos, chefe de reportagem e outro grande nome do jornalismo gaúcho, Josué comandava a redação.
Chegado havia pouco do interior, com 18 anos recém feitos, recebi dele uma recomendação: primeiro conheça Porto Alegre, só depois disso venha fazer testes.
Foi o que fiz: nos fins de semana, longe do emprego e da faculdade, dedicava-me a longas viagens de bonde que me levaram a todos os bairros e recantos de Porto Alegre.
Mas a fase de testes só aconteceu quando o jornal fez uma reformulação de seus quadros, com a chegada de Nelson Dimas Filho. Passei pelo calvário de todo ''foca'': a cobertura de assuntos de menor interesse, como as comemorações do Dia da Árvore e o jubileu do clube social. Não desisti nunca.
Por fim, sobre o jornal impresso, diz Talese:
- Não acredito que vá acabar. Mas tem que ser de boa qualidade. Bons textos vão sobreviver porque são bons.
É isso: jornal se faz com talento e coração.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos