TEXTOS

Dúvidas e certezas do mensalão

02 de Agosto de 2012

Chegou o dia. Começa hoje o julgamento do ''mensalão'' pelo Supremo Tribunal Federal.
Apesar das várias tentativas de postergação do processo, pelos advogados dos réus, o show começa no início da tarde.
Não é apenas o resultado final que interessa.
A TV do Senado vai ter uma audiência nunca antes alcançada na história do país.
E a TV Globo, com a veiculação de uma série de reportagens, preparou o terreno para garantir maior audiência na sua disputa com a Record, detentora dos direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos.
O jornalismo impresso também comparece. No último final de semana, as revistas mais conhecidas chegaram às bancas com suas posições muito claras. Veja veio com uma capa negra, com José Dirceu como réu. E a Carta Capital trouxe uma denúncia contra o ministro Gilmar Mendes. Ele teria recebido dinheiro do valerioduto do governador mineiro Eduardo Azeredo, denúncia repelida pelo próprio Marcos Valério.
Carta Capital vai mais além, com um Especial de textos sobre o processo, um deles dizendo que o povo vai julgar, antes do STF, o procurador geral da República, Roberto Gurgel, por ter feito uma denúncia sem provas.

+++

Há outras curiosidades e outros grandes interesses em jogo, além do resultado final.
O que vai preponderar: apenas o exame frio do que consta dos autos, ou o Supremo será sensível às questões políticas e à ''voz rouca'' das ruas?
Ele vai ter influência nas eleições municipais marcadas para este ano, seja qual for a sorte dos denunciados?
A presidente Dilma Rousseff conseguirá ''blindar'' totalmente o seu governo dos efeitos do processo?
A eventual condenação dos políticos mais famosos, como José Dirceu e José Genuíno, implicará num julgamento da ''era Lula'', como querem alguns?
Ou mais uma vez o carisma do ex-presidente será capaz de superar tudo isso?

+++

Pessoalmente, tenho curiosidade especial pelo torneio de oratória que vamos contemplar a partir de hoje.
Afora a manifestação dos ministros do Supremo, atuarão no julgamento alguns dos mais importantes e mais capazes advogados do país, como é o caso de Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça e ex-defensor de Carlinhos Cachoeira, além de José Carlos Dias, também ex-ministro da Justiça, e Antonio Carlos de Almeida Castro, que atuou no processo da recente cassação de Demóstenes Torres.
A lastimar que não faça sua própria defesa o ex-deputado Roberto Jefferson, como ele chegou a cogitar. Esse trabalho será feito pelo gaúcho Luiz Francisco Corrêa Barbosa, o Barbosinha, conhecido e respeitado tribuno.
Lá estivesse, teríamos a chance de vê-lo a fustigar José Dirceu. A TV lembrou, esta semana, sua atuação no processo de cassação do ex-ministro, quando este desmentiu a existência do mensalão.
- Tenho medo de V.Excia. Porque V.Excia. provoca em mim meus instintos mais primitivos. –refutou Jefferson.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos