TEXTOS

Enquanto não existir cidadania

16 de Agosto de 2012

A foto que contemplo na imprensa, de um pai levando nos braços o pequeno caixão onde está seu filho de dois meses, Luiz Lucas Pacheco, impacta-me nesta manhã de terça-feira.
O bebê morreu na noite de domingo, na UTI pediátrica do Hospital de Caridade de Ijuí, no Noroeste do Estado.
Ele quase certamente teria sido salvo não fosse vítima do verdadeiro caos em que está transformada a saúde pública do Estado e do país.
Luiz Lucas foi internado no Pronto Socorro de Pelotas uma semana antes de morrer. Permaneceu três dias na emergência, até que a Justiça determinou a sua imediata internação num hospital equipado com UTI Pediátrica.
Foi transportado de Pelotas para Ijuí num avião custeado pela Prefeitura da primeira cidade.
O tempo de espera foi demasiado, no entanto.
O diretor técnico do hospital explicou que, ao chegar, o bebê apresentava um quadro clínico gravíssimo e não respondeu ao tratamento. Já não havia mais tempo para superar a infecção, agravada por uma coqueluche. Acabou morrendo, com insuficiência respiratória.
Não se trata de caso isolado. Havia poucos dias e um casal de gêmeos de Piratini, no sul do Estado, também acabou morrendo, depois de peregrinar por vagas em UTIs neonatais.

+++


É demais.
Já me reportei ao drama dos homens e mulheres de idade avançada e que, nas nossas madrugadas frias, permanecem horas e horas numa fila, mendigando a ficha que lhes vai permitir a marcação de uma consulta médica.
A saúde passou a ser um retrato acabado das mazelas que poluem nossa administração pública.
Não se impute apenas a uma pessoa ou a um governante a culpabilidade por essa realidade dramática.
É um quadro que se repete, ano após ano, eleição após eleição, governo após governo.

+++


Só vejo uma solução para isso no horizonte: que a população se levante em protesto.
Que se façam ouvir, seja pelo voto, seja através de movimentos organizados, para protestar junto a hospitais e organismos da saúde pública.
Não basta que a imprensa retrate o caos.
É preciso combatê-lo e, para isso, de nada adianta que uma voz isolada proteste.
Vem-me à memória episódio não muito distante, de um servidor público do alto escalão da República que também morreu por falta de atendimento, depois de percorrer hospitais de Brasília. A própria presidente Dilma Rousseff determinou a apuração rigorosa do episódio, mas nunca mais se teve notícias do que lá foi feito.

+++


Definitivamente, enquanto a população der preferência à novela ''Avenida Brasil'', da TV Globo – nada contra novelas, que esta, aliás, parece retratar outra realidade do país – ao invés de se informar sobre o que acontece com o julgamento do ''mensalão'' pelo STF, nada mudará.
Também nada vai se alterar enquanto não houver consciência política sobre direitos e obrigações de cada um.
E lamento, por fim, se o leitor desistiu de acompanhar este texto até o fim.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos