TEXTOS

A esperada postura dos ministros

30 de Agosto de 2012

Acabo de ouvir o voto do ministro Cezar Peluso, no julgamento do ''mensalão'', no STF, o primeiro desta tarde de quarta-feira, 29 de agosto.
A dura e cáustica manifestação de Peluso não surpreendeu. Foi o que se esperava, por toda sua história.
Restam, ainda, os votos de quatro ministros, os mais antigos da Corte, igualmente previsíveis, nesta etapa.
Aliás, até agora, não houve nada de imprevisto no julgamento, afora o desconhecido que eram os votos de Rosa Weber e Luiz Fux, os dois mais novos ministros, indicados pela presidente Dilma Rousseff.
Tanto o voto do relator, Joaquim Barbosa, como o do revisor, Ricardo Lewandowski, aconteceram nos termos e na medida do previsto.
Barbosa ''fatiou''' o processo, seguindo a metodologia da denúncia do Procurador Geral da República, e não teve dúvida quanto aos integrantes da primeira ''fatia'' por ele selecionada: condenou a todos.
Lewandowski absolveu João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara de Deputados, que mandou sua mullher apanhar R$ 50 mil na boca do cofre do banco. O dinheiro veio das burras das empresas de Marcos Valério. Em troca, este ganhou a licitação da conta publicitária da Câmara.
Lewandowski já havia dado sinais claros de sua postura política, ao retardar o máximo que lhe foi possível a apresentação do seu voto como revisor, para retardar o julgamento.
A esperança dos advogados de defesa dos quase 40 réus é essa: fazer com que tudo fique para mais tarde e que tudo seja justificado como caixa dois, um crime eleitoral já prescrito.
O presidente do Supremo, ministro Ayres Brito, tem sido, no entanto, muito firme na condução do processo e não tem permitido artifícios protelatórios, não obstante sua afabilidade.

+++


Na última segunda-feira, votaram quatro ministros, a começar pela gaúcha Rosa Weber, por ser a mais nova integrante.
Ela também seguiu os passos do relator, só deixou para mais tarde o seu voto sobre lavagem de dinheiro, além de absolver João Paulo de um dos crimes de peculato de que é acusado.
Cármen Lúcia foi contundente, ao acompanhar o voto do relator na sua integralidade, assim como o fez Luix Fux.
Dias Toffoli foi uma figura patética, como esperado.
Inocentou João Paulo Cunha e fez questão de se reportar mais de uma vez ao trabalho do ministro Lewandowski.
Ambos são visceralmente vinculados ao PT. O revisor fez toda sua carreira no ABC paulista, assessorando o partido. E o mesmo, ou mais, pode se dizer de Toffoli, ex-assessor e ex-advogado de José Dirceu e do próprio Partido dos Trabalhadores.
Certamente que teria feito muito melhor para sua biografia tivesse se julgado impedido de participar deste julgamento, em função de todas suas atividades e ligações pretéritas.
Tem um mérito: é respeitoso e agradecido a quem o ajudou a subir na vida.
Subserviência, é bem verdade, que não cabe a um ministro do Supremo Tribunal Federal.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos