TEXTOS

O Caso Kliemann, meio século depois

13 de Setembro de 2012

Retorno, hoje, a Santa Cruz, para participar, à noite, da 2ª. Jornada Lia Pires, na Faculdade de Direito da UNISC, a convite do advogado Ezequiel Vetoretti, do Instituto Lia Pires.
Uma mesa-redonda vai debater o episódio que tanto marcou aquela cidade: o drama de uma família, motivo e razão do meu livro ''Caso Kliemann, a história de uma tragédia''.
Lá estive muitas vezes, ao longo das pesquisas e creio que esta é a oportunidade ideal para prestar uma homenagem ao pesquisador Guido Kuhn, falecido muito moço. Ele foi, junto com o colega Ricardo Dürren e toda a equipe da Gazeta do Sul, colaborador prestimoso e essencial na pesquisa e na aproximação com tantos que contribuíram para o melhor resgate daquela história.
Guido era afável e generoso, como ser humano, e minucioso e preciso, como profissional. Seus colegas e sua família podem ter orgulho dele, por tudo quanto foi.

+++


Uma das perguntas mais recorrentes, em entrevistas ou em contatos pessoais, é sobre minha motivação para escrever aquele livro.
Preciso sempre voltar ao passado e ao início da minha carreira jornalística, há meio século.
Estava na redação do Diário de Notícias, em junho de 1962, quando ocorreu o assassinato da sra. Margit Kliemann, esposa do deputado Euclydes Kliemann. Havia ingressado no jornal em agosto do ano anterior, às vésperas da Campanha da Legalidade, portanto.
Embora vinculado à outra área da reportagem – política e cultura - acompanhei de perto a azáfama dos colegas do setor de polícia, na agitação incontida de buscar um ''furo'' nas investigações daquele crime que abalou Porto Alegre, Santa Cruz do Sul e todo o Estado.
A morte da bonita esposa do deputado Kliemann, com requintes de brutalidade e circunstâncias misteriosas, mobilizou a opinião pública, a imprensa e a classe política.
Era natural que assim fosse e até mesmo a então famosa revista O Cruzeiro deslocou para o Rio Grande do Sul repórter e fotógrafo para acompanhar o trabalho policial sobre aquele que ela chamou de ''O Sacopã de Porto Alegre'', em referência a outro crime famoso, ocorrido no Rio de Janeiro.
Mais tarde, quando aconteceu o julgamento do vereador Floriano Peixoto Karan Menezes, o ''Marechal'', autor do disparo que matou Euclydes Kliemann, ao vivo, na Rádio Santa Cruz, fui designado pelo Diário para acompanhar os trabalhos do júri.
As últimas palavras do deputado e o tiro que o derrubou foram repetidos à exaustão, a pedido dos advogados e do promotor. Parecia a todos que Euclydes emergia do meio da multidão acotovelada no Ginásio do Corinthians, dividida em dois blocos distintos: de um lado, partidários do ''Marechal'', de outro, familiares e parceiros de Kliemann.
Sim, foi ali, naquele momento: disse para mim mesmo que aquela era quase uma obra de ficção. E que, um dia, eu haveria de escrevê-la.
Foi o que fiz.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos