TEXTOS

Escolha bem, com responsabilidade

27 de Setembro de 2012

Talvez fosse mais adequado falar sobre as eleições na coluna da próxima semana, 4 de outubro, véspera do pleito de domingo, dia 7.
Decidi antecipar a reflexão depois de assistir ao programa eleitoral destinado aos candidatos a vereador.
Para fazer mais um alerta aos eleitores: votem no prefeito e naqueles que vão fazer parte das Câmaras Municipais com responsabilidade e consciência.
Há ainda mais de uma semana para que cada um de nós analise com profundidade quem são, o que pensam e o que dizem os candidatos.
Deixe de lado, é claro, os bizarros e as bizarrices. Não é mais tempo de votar num candidato ridículo, como forma de protesto. Vai longe o tempo dos ''Cacarecos''.
Explico para os mais jovens.
Cacareco era o nome de um rinoceronte do Zoológico da cidade de São Paulo, que recebeu uma fantástica votação para vereador, nas eleições de outubro de 1959: 95 mil votos. Não havia urna eletrônica, o eleitor escrevia o nome do seu candidato numa cédula de papel.
Diz-se que foi um jornalista, Itaboraí Martins, quem teve a ideia de lançar o nome de Cacareco, como protesto pelo baixo nível dos candidatos de então.
Não faça nada igual, caro leitor.

+++


O voto é uma arma poderosa demais para não ser usada ou para ser menosprezada.
De nada adianta ficarmos a lamentar os desatinos da política brasileira e simplesmente desdenhar dos políticos como um todo.
É indispensável ter presente que os homens e mulheres que estão hoje em cargos importantes, seja em que nível for – do Senado Federal às Câmaras dos municípios, além de governadores e prefeitos - todos foram escolhidos por nós, eleitores.
É verdade que muitos – competentes, trabalhadores, honestos – negam-se a ingressar em partidos políticos e participar de eleições. Há aqueles que experimentaram e desistiram.
É compreensível, mas não me parece adequado.
Então, vejamos.
Cada um de nós conhece pelo menos meia dúzia dos atuais vereadores que concorrem à reeleição. E outros tantos que concorrem pela primeira vez. Isso também vale, é claro, para os candidatos a prefeito. Quem não os conhece?
Quanto menor a comunidade, mais próximos eles são do eleitor. Não é difícil, por isso, distinguir aqueles que realizaram um bom trabalho, ou outros tantos com novas propostas interessantes.
Quanto menor for a comunidade, maiores são as possibilidades de evitar equívocos. O candidato pode ser o vizinho de rua, e o conhecemos bem.
Daí o apelo, amigo. Eleja com responsabilidade aqueles que devem, a partir da posse, no próximo ano, conduzir para o bem a administração de sua cidade.
Não importa que não lembres os nomes dos candidatos que receberam teu voto na eleição anterior. Essa é uma das más estatísticas do eleitorado brasileiro.
Acerte na escolha e, desta vez, não os esqueça.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos