TEXTOS

Obama, a vitória de um líder

08 de Novembro de 2012

Acompanhei, até a madrugada de ontem, a apuração dos votos dos eleitores americanos na eleição para a presidência, o Senado e a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.
E, como a maioria dos brasileiros e a maioria dos europeus, e, ao que se sabe, a maioria do mundo, aplaudi a renovação do mandato de Barack Obama.
Era uma eleição complexa, todas as pesquisas indicavam enorme equilíbrio de forças, e a contagem dos votos na disputa pelos delegados da Califórnia foi fantástica: mais de uma vez, ao longo da noite, contabilizados centenas de milhares de votos, persistiam os percentuais: 50% a 50%.
A reeleição de Obama tem enorme significado. É bom lembrar que, escolhido há quatro anos, numa eleição empolgante, ele personificou, então, a vitória do sonho americano, sonhado por Martin Luther King. Era o primeiro negro a chegar à chefia da Nação, num momento de extrema crise econômica, só comparada a do crack da Bolsa em 1929.
Obama conseguiu evitar o pior. Navegou durante o primeiro mandato em águas extremamente turbulentas, mas conseguiu trazer a nau até aqui, com a recuperação lenta da economia e a retomada do emprego.
A crise não está superada, o desemprego continua em índices elevados, mas o povo americano fez a opção: apostar em Obama é a certeza da continuidade de uma política que vem dando certo, ao invés de se aventurar com Mitt Romney, um conservador que oscilou em suas opiniões extremadas a cada passo da campanha.
Entre outras razões mais, Obama ganhou também por ter liquidado com Bin Laden e ter sabido conduzir com energia e competência o último drama americano: o ciclone pós-tropical Sandy.
Foi, enfim, a vitória de um verdadeiro líder.

+++


Ele não desiste

Enquanto isso, é preciso reconhecer: José Dirceu, o ex-ministro de Lula, condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa no julgamento do mensalão, é persistente. Aliás, sua história prova isso.
Nesta segunda-feira, no seu blog, defendeu a ''regulamentação'' da mídia no Brasil como uma das três prioridades do PT para 2013. As outras duas são a reforma política e a 'desconstrução da farsa do mensalão'.
Ainda no blog, Dirceu explicou de que maneira o PT vai agir para assegurar a regulamentação: ''O partido vai se posicionar, defender, tomar iniciativas, ocupar todas as tribunas que lhe forem possíveis, manter o assunto em evidência e priorizá-lo'', explicou.
Ele disse mais, recorrendo a uma frase de Rui Falcão, presidente do PT: ''Não é censura, nada a ver. É ampliar a liberdade de expressão, não restringi-la''.
Convenhamos que isso soa como deboche à inteligência dos brasileiros.
Nos Estados Unidos, onde há dezenas de corruptos condenados e atrás das grades ninguém ousa em falar sobre ''regulamentação'' da imprensa. A liberdade de expressão está acima de tudo e de todos.
E é a melhor democracia que se conhece.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos