TEXTOS

Somos nós os mequetrefes

29 de Novembro de 2012

Mais um escândalo de proporções explodiu na antessala da Presidência da República. É resultado da chamada Operação Porto Seguro, desencadeada pela Polícia Federal.
Como nenhuma notícia vazou e as primeiras informações foram divulgadas pelos delegados responsáveis, desta vez será difícil atribuir tudo a um conluio da imprensa e do STF, como o fizeram os condenados do “mensalão”.
A propósito, registre-se, desde logo, a reação precisa e imediata da presidente Dilma Rousseff. Reuniu-se no último sábado com a Chefe da Casa Civil e o Advogado Geral da União, entre outros assessores, e fez o que precisava ser feito: mandou afastar ou demitir todos os indiciados.
E não é pouca gente e também não são mequetrefes.
Estão no rol de suspeitos nada menos do que o segundo homem na estrutura da Advocacia Geral da União, José Weber Holanda, e a chefe de gabinete do escritório regional da Presidência República em São Paulo, Rosemary Noronha, a Rose.
Ela foi nomeada por Lula e mantida no cargo por Dilma Rousseff a pedido do ex-presidente.
Estão presos dois irmãos indicados por Rose, Rubens e Paulo Vieira, ambos diretores de duas poderosas Agências de Regulação, a ANAC (Agência Nacional de Avião Civil) e a ANA (Agência Nacional de Águas).
As gravações telefônicas e as trocas de e-mails até agora reveladas indicam que havia uma organização arquitetada para a prática de várias ilicitudes, sobressaindo-se a venda de pareceres encomendados para fraudar negócios com órgãos públicos.
À medida que são conhecidos maiores detalhes das investigações, fica-se sabendo que Rose exercia um poder bem maior do que aquele teoricamente atribuído a uma chefe de gabinete. Ela tinha contato direto, por exemplo, com o ex-ministro José Dirceu, a quem assessorou durante 12 anos e que a indicou para o cargo. Foi para ele que Rose fez a primeira ligação, pedindo socorro, quando a Polícia Federal bateu à sua porta, na última sexta-feira.
Ela marcava audiência não apenas para o Presidente da República, mas também junto a outras autoridades do governo.
Viajou mais de duas dezenas de vezes para o exterior, integrando a comitiva do presidente Lula, tinha passaporte diplomático e cartão de crédito corporativo da Presidência da República (aquele cujas despesas são segredo de Estado e não exigem comprovação).
Não é de estranhar que surjam novas revelações ainda mais bombásticas, e sussurra-se nos corredores do poder que há outros implicados no primeiro escalão.
Agora, pelo menos, se tem resposta quando a pergunta é sobre o caos da aviação no país e o que faz a ANAC para controlar e regular o sistema aéreo. O seu diretor está lá para cuidar de negociatas, não para se preocupar com aviões e aeroportos. Muito menos conosco, os passageiros, estes sim tratados como verdadeiros mequetrefes.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos