TEXTOS

Para não esconder a história

13 de Dezembro de 2012

Volto a um tema sobre o qual tenho particular interesse e que diz respeito a todos aqueles preocupados em conhecer a história: o direito de pesquisadores, jornalistas e escritores publicarem o resultado de seu trabalho quando se tratar da biografia de figuras públicas.
Ocorre que há uma ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade), movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros (Anel) junto ao Supremo Tribunal Federal, reivindicando mudanças no Código Civil, que hoje exige prévia autorização de biografados ou herdeiros para a publicação de livros ou obras audiovisuais.
E a Advocacia Geral da União, que representa a Presidência da República, manifestou-se contra a ADIN, pedindo a prevalência de dois artigos do Código e que contrariam a liberdade de expressão assegurada na atual Constituição da República.

+++


Aproveito a oportunidade do tema para falar da minha experiência pessoal.
Entre outros, escrevi dois livros biográficos: Loureiro da Silva, o Charrua, minha estreia, e pelo qual recebi o Prêmio Açorianos de Literatura de 2003, e Cyro Martins, o homem e seus paradoxos, de 2007.
Em ambos os casos, havia, como sempre há, episódios e características pessoais do biografado que a família não gostaria de ver expostos à opinião pública.
Assim, numa das tantas entrevistas com descendentes do político e administrador Loureiro da Silva, surgiu a questão do seu relacionamento com a jornalista Gilda Marinho, personagem importante da crônica social gaúcha.
Houve certa oposição, com a tentativa de minimizar o episódio. Argumentei que omitir aquele fato, conhecido pelos contemporâneos dos dois personagens, tiraria da obra toda a sua credibilidade. E a história do romance dos dois está lá, para ser conferida.
Já no caso de Cyro Martins, fui convidado para escrever o texto final da biografia pela filha do médico e escritor, Maria Helena Martins.
E justiça lhe seja feita: quando disse a ela que só aceitaria o encargo se não houvesse qualquer restrição ao conteúdo do texto, ela concordou de imediato. Tivemos, eu e a jornalista Nubia Silveira, coordenadora da equipe de pesquisa, ampla e total liberdade para expor a história verdadeira de Cyro Martins, inclusive seus paradoxos.

+++


Tenho interesse em pesquisar outros personagens da história gaúcha. Muitos deles têm extrema significação para que se possa melhor compreender o que ocorreu ao longo do nosso passado. Mas só o farei depois que essa questão estiver definitivamente resolvida. Não há como submeter-se à vontade de herdeiros que, muitas vezes, sequer conheceram seus ascendentes.
Pior será para a verdade e a história se prevalecer a atual legislação.

+++


A partir de agora, esta coluna passa a ser publicada também pelo jornal Minuano, da histórica cidade de Bagé. Minha saudação aos leitores bajeenses.


ARTIGOS 2012
mais artigos >>>

Uma previdência mais ajustada

Os estranhos ministros sem função

Meus sonhos e o Francesco trapalhão

O povo e os bons índices de Dilma

O crime de Caxias e a nossa impunidade

A preocupante greve baiana

Deixar a Grêcia morrer?

A tentação irresistível de censurar

Enfim, emoção nas eleições

Uma previdência mais ajustada

Uma previdência mais ajustada

E não se cassa mais ninguêm

A êtica do mercado da fraude

A oposição que não se ajuda

O fascínio de fazer jornal

O poeta, o processo e o mensalão

A perigosa jogada de Cristina

Meritocracia e bico, por que não?

Hora de pensar sem provincianismo

CPI ou apenas mais uma novela ?

Não pode ser ideia de Lula

O vexame de um acordo espúrio

Conversas nem tão republicanas

Armadilhas à espera do pesquisador

CPI ou mais uma novela? (II)

O incrível acordo paulista

E a êtica do Senado Federal?

O Rio dos meus encantos

Sai Demóstenes, entra o "mensalão"

Lições de um mestre do jornalismo

O STF e a opinião pública

Dúvidas e certezas do mensalão

A oratória e o destino do mensalão

Enquanto não existir cidadania

A censura interesseira

A esperada postura dos ministros

A democracia, de Todorov a Rui Falcão

O Caso Kliemann, meio sêculo depois

A denúncia de Marcos Valêrio

Escolha bem, com responsabilidade

Para não perder a esperança

O "mensalão" e as eleições municipais

Os protestos do povo argentino

O recado muito claro do Supremo

Lula, o fenômeno político

Obama, a vitória de um líder

Mia Couto, o conferencista

Os novos tempos do STF

Somos nós os mequetrefes

Limites do jornalismo e do poder

Para não esconder a história

O "mensalão" ainda não terminou

Dois nomes políticos